18
Out 13
Neste artigo reúno vários textos já publicados por mim no blogue Paralisia do Sono. Para mais informações sobre os sonhos lúcidos visite a página do Facebook Paralisia do Sono e Sonhos Lúcidos - Relatos e Experiências ou o blogue Sonhos Lúcidos.


Nos sonhos normais, nunca percebemos que estamos sonhando. Sempre acreditamos estar acordados: fugimos dos perigos, nos preocupamos em resolver os problemas com os quais nos deparamos, tememos as reações das pessoas e animais com os quais estamos sonhando, etc. No sonho lúcido, esta falta de discernimento não existe. O sonhador compreende que está sonhando e age de acordo com esta compreensão.

A definição mais simples de sonhos lúcidos é "estar ciente de estar sonhando enquanto se sonha". Sonhos lúcidos normalmente acontecem enquanto a pessoa está no meio de um sonho normal e de repente percebe que está dormindo ou que tem que estar sonhando. Esta pessoa agora está "lúcida", e pode entrar em mais de um nível de lucidez. No nível mais baixo, o sonhador pode estar parcialmente consciente de que está sonhando, mas não pode raciocinar o suficiente para perceber que os eventos/pessoas/ações no sonho não são reais/não representam ameaça. No nível mais alto, o sonhador está completamente consciente de que está dormindo, e pode ter controle completo sobre suas ações no sonho.

Utilizar a paralisia do sono para ter sonhos lúcidos

É possível utilizar a paralisia do sono para experimentar um sonho lúcido; os monges tibetanos fazem isso há milhares de anos! Nos sonhos lúcidos estamos conscientes de que estamos a sonhar, sendo que os mesmos já foram comprovados por a ciência como sendo válidos (como ainda faltam algumas informações sobre os seus mecanismos, podem ser classificados, por enquanto, como uma protociência).

Da próxima vez que experimentar a paralisia do sono, tente manter-se calmo, lembre-se que a sensação de medo é provocada por a amígdala (a parte do cérebro responsável pela emoção primária do medo), e que tudo o que vê e ouve são apenas alucinações criadas pela sua mente. Não tente mexer-se, esteja calmo e simplesmente visualize (através da sugestão) você a levantar-se da cama. Imediatamente o medo vai desaparecer, você vai levantar-se e, ao olhar para a cama, vai ver que ainda está deitado! Não se assuste porque está a ter um sonho lúcido. Não é o seu espírito que está a sair do corpo, mas é apenas uma alucinação sua: na realidade, você está deitado na cama a sonhar.

Depois de sair da cama, saia de casa e faça o que quiser, porque está a sonhar. Não se esqueça de confirmar que está mesmo a sonhar antes de sair de casa, bastando para isso olhar para uma das suas mãos: nos sonhos as nossas mãos têm sempre mais de 5 dedos ou outras características bizarras e, se as suas mãos estiveram estranhas, então é porque está a sonhar.

O mais difícil é ficar calmo durante a paralisia, mas não perde nada em tentar; se eu consigo, você também consegue.

Como ter sonhos lúcidos


1. Vá dormir uma ou duas horas mais cedo que de costume, ou apenas fique deitado, sem dormir. Uma alternativa consiste em pôr um despertador para soar cerca de duas horas antes que de costume, levantar-se quando ele tocar e voltar para a cama mais tarde para tirar uma soneca. Sonhos lúcidos tendem a ocorrer depois que as pessoas já tiveram a quantidade normal de sonho REM.

2. Nas horas antes de deitar, pense com convicção e repetidamente: "Terei um sonho lúcido hoje à noite". O pensamento vai ajudá-lo a "preparar" seu cérebro para a lucidez.

3. Selecione uma "dica" ou um "símbolo onírico" que seu cérebro reconhecerá quando aparecer em um sonho normal. Internalize a ideia de que, na presença do símbolo, você "saberá" que está sonhando. Por exemplo, decida que sempre que um objeto vermelho surgir em um sonho, seu cérebro irá se prender a ele e relembrará que aqui é um sonho.

4. Esforce-se para tornar-se mais consciente de seus sonhos comuns. Mantenha um bloco de anotações perto de sua cama e, ao acordar, anote tudo o de que possa se lembrar. Faça anotações especiais sobre objetos que parecem surgir com frequência e use-os como símbolos.

5. No momento que tiver uma vaga noção de consciência em um sonho - como, por exemplo, pensar que "isso é estranho de mais para ser verdade"- focalize-a em vez de deixar que se afaste. Esse tipo de percepção é a porta de entrada para a lucidez. A maioria das pessoas a vivencia rapidamente durante sonos normais: o truque é agarrar-se ao pensamento e elevá-lo à consciência sem acordar completamente.

6. Quando a lucidez se manifestar, relaxe. Não se agite nem tente alterar as imagens oníricas imediatamente. Apenas relaxe e aproveite o cenário. Uma vez que tenha se fixado ao pensamento de que está sonhando, descobrirá que a lucidez aflui. Parece com o despertar - exceto que, em vez de ficar sensoriamente consciente do mundo exterior, seu conhecimento é puramente conceitual. Você "sabe" que está na cama porque se lembra de ter ido se deitar, mas na verdade não sente a cama. As visões, os sons e as sensações que estava experimentando quando estava tendo um sonho comum permanecem inalterados - mas agora você sabe que eram alucinações.

7. Teste o sonho. Às vezes, é muito difícil distinguir um sonho lúcido da vigília. Uma forma de testá-lo é tentar ligar qualquer tipo de aparelho elétrico - nos sonhos lúcidos, sempre há um atraso entre o ato de acionar o botão e o dispositivo começar a funcionar. E luzes elétricas sempre são muito fracas nos sonhos lúcidos.

8. Lentamente, comece a controlar o sonho. Decida, por exemplo, mudar as condições climáticas, ou o papel de parede do cômodo em que você está. Tudo que precisa fazer é pensar "que o dia fique ensolarado", ou "que as paredes fiquem azuis". Se quiser evocar uma pessoa, pense em vê-la surgindo e depois se afaste do lugar em que deseja vê-la. Quando voltar, ela provavelmente estará lá. Se quiser voar, imagine-se se elevando suavemente - quando sentir que está caindo, não tente se "ajudar", apenas deixe que isso aconteça.

9. Se sentir que está despertando e não quiser acordar, tente girar seu corpo no sonho em volta de um circulo - isso ajuda a manter as cenas oníricas.

10. Nunca entre em pânico. Os sonhos lúcidos ocasionalmente produzem experiências desagradáveis, como a sensação de uma atmosfera pesada ou uma presença ameaçadora. E despertares falsos são comuns - você pensa que acordou completamente, mas percebe que não consegue se mexer. Isso acontece porque você ainda está sob o efeito da paralisia do sono. Lutar contra a sensação é inútil e pode fazer com que você sinta como se estivesse sufocando. Em vez isso, relaxe lembre-se de que está tendo um despertar falso e flutue de volta para seu mundo dos sonhos.

Considerações sobre os sonhos lúcidos


Os sonhos lúcidos são muito estranhos, e por isso muito fascinantes. Tal como a experiência da paralisia do sono, os sonhos lúcidos cativam os seres humanos há muito tempo. Torna-se necessário, no entanto, não tomar essas experiências oníricas como reais, como sendo tão verdadeiras como as experiências sensoriais do estado de vigília. Os sonhos são, na maioria das vezes, algo de muito agradável, e poder controlá-los torna-os ainda mais interessantes. Contudo, só a realidade física é verdadeira. Todas as experiências oníricas são apenas um produto do trabalho do cérebro, ou seja, um efeito distorcido de causas físicas concretas.

Cumpre assim saber os mecanismos dos sonhos lúcidos. A Ciência aceita-os, porque está provado que ocorrem, mas ainda não se compreende muito bem os seus processos. Se podemos estar conscientes durante um sonho lúcido, com justiça perguntamos: «o que está consciente durante o mesmo?» Podemos responder que é a nossa mente, mas então perguntamos: «é toda a mente que está consciente ou apenas uma parte dela?» O estar consciente durante um sonho lúcido parece implicar que existe algo em nós que é independente do corpo enquanto este sonha, não é verdade?

A minha resposta é não. Nós somos o conjunto dos impulsos do nosso corpo, isto é, somos corpo e nada mais do que corpo. O que parece estar consciente durante um sonho lúcido é apenas uma parte do corpo, não algo distinto do mesmo, a saber: o hemisfério esquerdo do neocórtice (a parte do nosso cérebro mais sofisticada). Enquanto o hemisfério esquerdo pode estar acordado durante os sonhos, o complexo R, sistema límbico (as partes do nosso cérebro mais primitivas) e o hemisfério direito do neocórtice (tão desenvolvido quanto o esquerdo, mas menos sofisticado ou, exprimindo-me de outra forma, menos racional) não se encontram conscientes, pelo contrário, estão envolvidos ao máximo no processo dos sonhos. O que significa isto? Significa que durante os sonhos é possível uma parte do nosso cérebro estar acordada.

Normalmente, o hemisfério esquerdo do neocórtice não está acordado durante os sonhos, mas é possível, com a prática, alcançar a consciência sem que esta ação anule as imagens oníricas. É isto, na minha visão, aquilo que as pessoas que conseguem ter sonhos lúcidos fazem: promovem a consciência na parte do cérebro mais sofisticada – do ponto de vista evolucionista – para alcançar a lucidez durante os sonhos. Pelas experiências realizadas por profissionais de saúde e cientistas, parece não causar dano algum este despontar da consciência. Contudo, como muitos referem, os sonhos lúcidos podem fazer com que benefícios desconhecidos dos sonhos não-lúcidos sejam anulados.

Outro pormenor interessante é que algumas situações nos sonhos lúcidos repetem-se em todas as pessoas: as mãos aparentam ter mais dedos do que o normal, e algumas vezes estes mostram-se extremamente mutilados; olhar para um espelho sempre equivale a ver a nossa face desfocada; aos relógios faltam sempre ponteiros; os equipamentos eletrónicos são mais lentos; luzes fracas e que tardam em acender. Estes fenómenos recorrentes atribuem algum tipo de realidade aos sonhos lúcidos? Não, de certeza que se trata apenas da nossa configuração cerebral, são efeitos de causas neurológicas comuns a todos nós.

Emerson Elias relata um sonho lúcido

publicado por Dicas, Informações e Oportunidades às 14:50

Realizo a técnica há dois anos e agora parece que esta automático, não tem uma noite que não tenho sonho lúcido. Quero saber como faço para desaprender? AJuda!
Ricardo a 30 de Maio de 2014 às 22:23

comentários recentes
Segundos dados do hublle, o tamanho do universo é ...
Essa foto é de Madame Curie, pois não?
Texto horrível, tanto com relação à forma quanto a...
Gostei! Sem o concurso do tempo, nenhum fenômeno n...
Boa Noite!Caríssimo Bosco, agradeço seu comentário...
pesquisar
 
Posts mais comentados